Livros

Numa trajetória de mais de 50 anos de carreira profissional, Marien Calixte também se dedicou a escrever livros. Histórias da cidade de Vitória, poesias, haikais e até mesmo o primeiro conto regional de ficção científica com o tema ufologia foi abordado por Calixte. Abaixo, há uma organização de antologias e obras escritas pelo autor.

Início da trajetória

Junto com Milson Henriques e Celso Mathias, Marien Calixte criou pela editora Sem Fronteiras, entre as décadas de 70 e 80, uma coleção de livros infantis de fácil leitura e que priorizavam o caráter lúdico. De acordo com o próprio Calixte, foram vendidas de três a quatro edições das obras. A Biblioteca da Universidade Federal do Espírito Santo é um dos poucos lugares que possuem no acervo estas obras infantis.

Coleção Infantil

Ficção Científica

Em 1985, Marien Calixte lançou o livro “Alguma Coisa no Céu”, que aborda o primeiro conto regional de ficção científica, cujo um dos temas era justamente a Ufologia. Em 1995, a obra ganhou uma segunda edição. Por conta do trabalho de excelência realizado, os contos de Calixte foram adicionados nas antologias “Estranhos Contatos” (1998) e no segundo volume dos “Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica”, lançado em 2010.

Haikai e poesias

Durante a década de 50, Marien Calixte através de um filme de Akira Kurosawa, uma forma de poesia de origem japonesa. Incentivado por Massao Ohno, lançou em 1990 o “Livro de Haikais”. A obra foi tão bem sucedida que ganhou uma versão bilíngue (português/italiano) denominada “Atlântico”, em 1994. Trabalhos avulsos também conferiram a Marien a honra de estar inseridos na antologia “100 haicaístas brasileiros”, de 1990. Ainda na forma de haikai e poemas, Marien escreveu “Não amarás” (1991), “Lua Imaginária” (1994) e Le Vent de L’autre Niut (1996).

Amor pelo Espírito Santo

Carioca de nascimento e cidadão capixaba de coração, Calixte escreveu importantes obras que contam a história do Estado do Espírito Santo. No campo político, Marien organizou a biografia do governador Florentino Ávidos (1998) e na parte da cultura, fez um apanhado histórico de Maurício de Oliveira com o livro “O Pescador de Sons” (2001), que demonstra a trajetória de um dos maiores violonistas do Brasil. Ainda sobre o Estado, Marien escreveu a obra “Evocação da ilha de Vitória” (1999), que conta com gravuras feitas pelo próprio autor.

Gravura da Avenida Beira-mar desenhada por Marien

Obras (livros e antologias)

Coleção Infantil Sem Fronteiras (década de 1970/1980)

– O Cabrito Bebeu Passeia na Nuvem

– O Coelho Zelio inventa uma orquestra

– Os Dois Anjos da Guarda de Luísa

– O Caracol e a Plantinha

– O Vaga-lume Violinista

Poetas Brasileiros de hoje [antologia] (1983)

Alguma Coisa no Céu (1985)

Enquanto houver natal [antologia] (1989)

100 haicaístas brasileiros [antologia] (1990)

Livro de Haikais (1990)

Não Amarás (1991)

Atlantico – Libro di Haikais – Brasiliano/Italiano (1994)

Lua Imaginária (1994)

Sulla Pietra Dai Due Occhi (1996)

Escritos de Vitória (1996) – participou em um dos capítulos

Le Vent de L’Autre Niut (1996)

Biografia de Florentino Ávidos (1998)

Estranhos Contatos [antologia] (1998)

Evocação da ilha de Vitória (1999)

O Pescador de Sons (2001)

Contos Desiguais (2003)

Herança do Vento (2006)

Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica – Volume 2 [antologia] (2010)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s